Região

Mãe que escreveu carta a profissionais da saúde após filha de 4 anos com Covid-19 deixar UTI comemora alta: 'Voltou a brincar'

A pequena Nicolly ficou entubada por 12 dias na UTI do Hospital da Criança e Maternidade (HCM), em São José do Rio Preto (SP). Mãe conta que primeira ação da garota em casa foi ver a cachorrinha de estimação.

Letícia e filha — Foto: Arquivo Pessoal Letícia e filha — Foto: Arquivo Pessoal

A pequena Nicolly Campos Zanesco, que testou positivo para coronavírus e ficou entubada por 12 dias na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital da Criança e Maternidade (HCM), em São José do Rio Preto (SP), recebeu alta hospitalar e pôde voltar para a casa da família.

Em entrevista ao G1, a mãe da menina, Letícia Lopes Campos, afirmou que a primeira ação da filha de 4 anos ao chegar em casa foi ver a cachorrinha de estimação da família, que mora no município de Tanabi (SP).

Nicolly deixou a UTI no dia 20 de julho, mas precisou ficar mais quatro dias internada na enfermaria até receber alta e poder retornar para a casa da família.

Para agradecer os profissionais de saúde que cuidaram da filha durante o período em que permaneceu internada, Letícia comprou uma cesta de chocolates e escreveu uma carta à mão. (veja abaixo.)

“Anjos sem asas. Uma singela homenagem, porém, de coração, para seres humanos que deixam suas famílias e filhos em seus lares para se dedicarem de corpo, alma e coração, colocando em risco suas próprias vidas em prol de pessoas que, muitas das vezes, nunca as viram antes”, consta em um trecho da carta.

Ao G1, Letícia explicou que levou a filha à Santa Casa de Tanabi depois de a pequena apresentar febre e a reclamar de dores nos olhos, na barriga e cabeça.

“Os médicos colocaram minha filha no soro e disseram que poderia ser suspeita de dengue. Eu a trouxe para casa, mas, dias depois, ela começou a reclamar de muita dor na barriga”.

Nicolly foi levada novamente à Santa Casa, onde permaneceu internada por uma noite. Em seguida, ela foi encaminhada para o Hospital da Criança e Maternidade de Rio Preto.

Assim que chegou ao hospital, a menina precisou ser entubada às pressas por conta do baixo nível de saturação de oxigênio no sangue e levada para a unidade intensiva.

“Ela foi fazer o exame de coronavírus e testou positivo. Foi um susto tremendo para nós. Realmente não esperávamos, ainda mais em uma criança tão nova. Ela ficou muito ruim, o pulmão dela ficou inteiro fechado, precisou ficar até de bruços”.

Nicolly deixou a UTI no dia 20 de julho, mas precisou ficar mais quatro dias internada na enfermaria até receber alta e poder retornar para a casa da família.

“Meu muito obrigada por me substituírem como mãe, dando afeto, amor, carinho e doação frente a essa situação tão difícil, que me impediu de estar ao lado cuidando e zelando por ela”, escreveu Letícia em outro trecho da carta endereçada aos profissionais da saúde.

Comentários