Policia

Médicos investigados por desviar verba da Saúde são transferidos para Centro de Ressocialização

Cleudson Garcia Montali e Lauro Henrique Fusco Marinho, presos durante operação Raio X, estão no Centro de Ressocialização de Araçatuba (SP); quadrilha é suspeita de ter movimentado mais de R$ 2 bilhões.

Viagens, luxo e prostituição: com a ajuda de políticos, quadrilha gastou milhões desviados do combate à Covid — Foto: Montagem/G1 Viagens, luxo e prostituição: com a ajuda de políticos, quadrilha gastou milhões desviados do combate à Covid — Foto: Montagem/G1

Os médicos Cleudson Garcia Montali e Lauro Henrique Fusco Marinho, apontados pelo Ministério Público como integrantes de uma organização criminosa investigada por desviar recursos da área da saúde, foram transferidos para o Centro de Ressocialização de Araçatuba (SP). A informação foi confirmada pela Secretaria de Administração Penitenciária (SAP) nesta sexta-feira (16).

Os dois estão presos preventivamente junto com outros 42 suspeitos investigados pela operação Raio X, que foi deflagrada no final de setembro em diversas cidades e estados do Brasil, incluindo Birigui e Penápolis (SP).

Em nota, a Secretaria de Administração Penitenciária informou que Cleudson e Lauro passaram por avaliação de perfil, conforme requisitos previstos na legislação sobre a inclusão de presos em Centros de Ressocialização, unidades que abriga presos primários e de baixa periculosidade.

De acordo com o Ministério Público, mais de 70 alvos da operação foram denunciados por crimes de organização criminosa, peculato, lavagem de dinheiro, corrupção e fraude em licitação. A Justiça de Birigui e Penápolis aceitou denúncia contra 78 suspeitos.

Investigações realizadas pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e pela Polícia Civil apontaram que a organização criminosa era liderada pelo médico Cleudson Garcia Montali. O anestesista, que foi diretor em várias unidades de saúde, chegou a ser homenageado com o título de cidadão Emérito nos municípios de Birigui e Agudos.

Por meio da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Birigui e Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de Pacaembu, Cleudson Montali celebrou contratos de gestão mediante licitações fraudulentas com o poder público para administrar a saúde de diversos municípios e desviando parte do dinheiro repassado por força do contrato de gestão às referidas Organizações Sociais.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado e a Polícia Civil descortinaram um esquema de desvio de dinheiro público extremamente orquestrado e sofisticado por meio de contratos de gestão não apenas no município de Birigui, mas em diversos municípios do estado de São Paulo e também em outros estados.

Segundo o G1 apurou, as investigações mostraram que a organização criminosa, mediante acordos previamente firmados com as prestadoras de serviços contratadas, desviou grande parte das quantias repassadas às Organizações Sociais, ora por meio de superfaturamentos, ora por meio de serviços não executados, sempre mediante emissão de notas frias.

Os atos criminosos ocorreram de maneira reiterada, sendo que parte do dinheiro desviado foi objeto de lavagem de dinheiro. Além dos crimes citados, as investigações apontaram também que os alvos da operação teriam praticado crimes de corrupção ativa e passiva, além de falsidades ideológicas.

As investigações também demonstraram que a organização, que viu o atual cenário da pandemia como uma oportunidade única para desviar dinheiro, contava com uma vasta rede de contatos criminosos em diversas localidades.

No caso de Cleudson, por exemplo, ele conseguia efetuar o crime por meio de pessoas interpostas, dirigindo as Organizações Sociais nas quais efetuava desvios milionários. Embora Cleudson já estivesse sendo investigado e alegado que iria se afastar das Organizações Sociais, o mesmo não ocorreu.

O G1 apurou também que as investigações ainda apontaram que Cleudson adquiriu outras duas novas Organizações Sociais justamente como forma de ampliar seus horizontes.

Até então, ele agia por meio das Organizações sociais de Birigui e Pacaembu. Contudo, nos últimos tempos o médico também vinha agindo em outros estados, desviando milhões em plena época de pandemia gerada pelo coronavírus, conforme o Ministério Público.

O Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado e a Polícia Civil descobriram que alguns denunciados ocultaram, destruíram e até mesmo queimaram provas, enquanto outros falsificaram documentos para obstruir e dificultar a investigação envolvendo as Organizações Sociais.

O Fantástico apurou que alguns dos acusados de participar da quadrilha levavam uma vida de milionário, comprando mansões, carros importados, aviões e helicópteros.

De acordo com as investigações, Lauro Henrique Fusco Marinho bancou uma viagem para o México e muitas outras com o dinheiro da Saúde. Ele é médico e dono de duas empresas que deveriam atender as Organizações Sociais de Cleudson. Muitos dos serviços não eram realizados, mas mesmo assim, Lauro emitia notas fiscais só para desviar verbas.

A investigação, que durou dois anos e culminou com a prisão de mais de 40 pessoas durante a operação, apontou que as organizações sociais de Cleudson cresceram rapidamente e fecharam contratos em 27 cidades de quatro estados: Pará, Paraíba, Paraná e São Paulo.

Segundo o Fantástico apurou, a quadrilha, que tinha a participação de políticos, desviou R$ 500 milhões, que deveriam ter sido investidos em hospitais e no tratamento da Covid-19.

Em muitas das vezes, os políticos estavam envolvidos para ajudar na primeira fase do esquema, o fechamento de contratos com o poder público. Em Agudos, um vereador foi preso suspeito de envolvimento no esquema.

Glauco Luiz Costa (MDB), conhecido como "Batata", teria recebido R$ 50 mil para votar pela cassação do prefeito, Altair Francisco Silva (PRB), e influenciar os colegas na votação. A tentativa de afastar o prefeito é por ele ter rompido com o contrato de uma das Organizações Sociais de Cleudson.

O prefeito Altair foi afastado duas vezes do cargo, mas conseguiu voltar após decisão da Justiça. Outros quatro vereadores da cidade também são investigados.

Segundo as investigações, no complô contra o prefeito, Cleudson conseguiu também que a Câmara de Agudos o homenageasse com o título de “Cidadão Agudense”, em 2019. Na ocasião, Batata discursou e disse que “era uma honra” receber o médico na Casa.

A defesa de “Batata não recebeu qualquer valor em espécie, sempre votou de acordo com suas convicções e lamenta que estejam sendo veiculadas informações desconformes com a realidade”.

Após a reportagem do Fantástico, a Câmara de Agudos votou um pedido de instauração de processo de cassação contra o vereador preso, mas o pedido foi negado por 8 votos a 3.

Outros políticos presos em São Paulo foram o Secretário de Saúde de Penápolis (SP), Wilson Carlos Braz, e o vereador de Birigui José Roberto Merino Garcia, conhecido como Paquinha.

Nascido em Bauru (SP), o médico com especialidade em anestesia, de 46 anos, foi diretor em vários hospitais e chegou a ser presidente regional da Associação Paulista de Medicina.

O médico, descrito pela polícia e pelo Ministério Público como uma pessoa discreta, também foi diretor do Departamento Regional de Saúde (DRS) de Araçatuba.

A polícia descobriu que o patrimônio milionário dele conta com uma fazenda em Mato Grosso do Sul, avaliada em R$ 10 milhões, além de um jatinho, de R$ 7 milhões.

Veja a lista de títulos de Cleudson Montali:

Comentários