BRASIL

Sobre pandemia, Bolsonaro afirma que o pânico foi disseminado 

Presidente afirmou ainda que os números reais ainda estão por vir

Reprodução, Internet Reprodução, Internet

Neste domingo (12), o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) começou os posts nas redes sociais listando ‘verdades’ sobre a pandemia. Em consideração pessoal, o presidente afirmou que a desinformação foi utilizada como arma e que o pânico foi disseminado.

“A desinformação foi uma arma largamente utilizada. O pânico foi disseminado fazendo as pessoas acreditarem que só tinham um grave problema para enfrentar”, escreveu. De acordo com o presidente, é preciso retomar o ritmo.

Ele justifica que existem “milhões de empregos destruídos, dezenas de milhões de informais sem renda e um país na beira da recessão”. Bolsonaro citou ações do Governo, como os repasses aos municípios e o auxílio emergencial como pontos positivos da gestão durante a pandemia do coronavírus.

“Não será fácil, mas havemos de recomeçar”, afirmou. Ainda nas redes sociais, o presidente destacou que “os números reais dessa guerra brevemente aparecerão”, em relação aos prejuízos causados pela pandemia.

Nas últimas 24 horas, foram registradas 1.071 mortes em decorrência da pandemia do coronavírus, segundo atualização diária divulgada pelo Ministério da Saúde neste sábado (11). O número total de óbitos está em 71.469.

Assim, de acordo com a atualização do ministério, 667.508 pessoas estão em acompanhamento e 1.100.873 se recuperaram. Entretanto, outras 3.974 mortes ainda estão em investigação. 

Segundo o Painel Coronavírus, foram registrados 39.023 casos nas últimas 24 horas. Por fim, o número de casos confirmados no Brasil desde o início da pandemia chegou a 1.839.850.  

Comentários