Brasil

Mãe escreve carta a profissionais da saúde após filha de 4 anos com Covid-19 deixar UTI: 'Anjos sem asas'

Nicolly Campos Zanesco ficou entubada durante 12 dias no Hospital da Criança e Maternidade de São José do Rio Preto (SP). Ela está se recuperando na enfermaria, mas ainda não tem previsão de alta.

Foto: Reprodução Foto: Reprodução

Depois de ser infectada pelo coronavírus e permanecer 12 dias entubada na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital da Criança e Maternidade (HCM) de São José do Rio Preto (SP), Nicolly Campos Zanesco, de 4 anos, superou a doença e foi encaminhada para a enfermaria.

Como forma de agradecimento, a mãe da pequena fez questão de redigir uma carta à mão, comprar chocolates e entregar para os profissionais da saúde que cuidaram de sua filha (veja a carta completa abaixo).

“Anjos sem asas. Uma singela homenagem, porém, de coração, para seres humanos que deixam suas famílias e filhos em seus lares para se dedicarem de corpo, alma e coração, colocando em risco suas próprias vidas em prol de pessoas que, muitas das vezes, nunca as viram antes”, escreveu a atendente Letícia Lopes Campos de 23 anos.

Em entrevista ao G1, Letícia Campos afirma que resolveu levar a filha à Santa Casa de Tanabi (SP), município onde mora, depois da pequena começar a apresentar febre e a reclamar de dores nos olhos, na barriga e cabeça.

“Os médicos colocaram minha filha no soro e disseram que poderia ser suspeita de dengue. Eu a trouxe para casa, mas, dias depois, ela começou a reclamar de muita dor na barriga”.

Nicolly foi levada novamente à Santa Casa, onde permaneceu internada por uma noite. Em seguida, a pequena precisou ser encaminhada para o Hospital da Criança e Maternidade de Rio Preto.

Assim que chegou no hospital, a menina precisou ser entubada às pressas por conta do baixo nível de saturação de oxigênio no sangue e levada para a unidade intensiva.

“Ela foi fazer o exame de coronavírus e testou positivo. Foi um susto tremendo para nós. Realmente não esperávamos, ainda mais em uma criança tão nova. Ela ficou muito ruim, o pulmão dela ficou inteiro fechado, precisou ficar até de bruços”.

Nicolly foi encaminhada para a enfermaria na segunda-feira (20), data em que pôde se reunir novamente com a mãe, que também testou positivo, mas não apresentou sintomas. A pequena ainda não tem previsão de alta.

“Foi um alívio muito grande poder reencontrá-la. Minha filha chegou quase desfalecida e está saindo ilesa. Ela está muito assustada, porque ficou longe de mim. Muita coisa deve estar passando na cabeça dela”.

“Só tenho a agradecer aos profissionais de saúde que cuidaram tão bem da minha filha e se emocionaram com a alta dela. Não tenho palavras para descrever minha felicidade. Meu sentimento é de gratidão”, complementa.

 

Comentários